Urgência, Emergência e atendimento ambulatorial – Quais as diferenças?

Tempo de leitura: 1 minuto

As diferenças entre esses importantes conceitos para a medicina e o atendimento ao paciente.

Nos atendimentos onde a gravidade da situação exige intervenções rápidas, duas palavras são muito usadas e têm seus significados confundidos pelo grande público: Emergência e Urgência. Apesar de parecidas e de significar que o paciente está numa situação de risco, possuem conceitos diferentes na medicina e servem para definir o tipo de tratamento que será dado.

Emergência

Na área médica, quando a circunstância exige que ocorra uma cirurgia ou uma intervenção médica imediatamente, é um caso de Emergência, ou seja, se o paciente não for operado ele virá a óbito. Por exemplo: certas hemorragias, paradas respiratórias e cardiovasculares. Note que as ambulâncias têm a palavra emergência escrita, pois na teoria elas transportam alguém nesse tipo de situação.

Urgência

Urgência também indica uma situação grave, que necessita ser resolvida imediatamente e não pode ser adiada, o que acarretaria em implicações mais sérias para o paciente. Luxações, torções, fraturas (dependendo da gravidade) e doenças como dengue, catapora e sarampo são dotadas de um caráter mais urgente. Ocorrências urgentes precisam de um tratamento médico ou mesmo uma cirurgia, mas podem apresentar também um caráter menos imediatista, como por exemplo, um tratamento de câncer, que deve ser feito com urgência, mas não irá trazer as consequências de imediato. Ainda assim, não deixa de ser um caso urgente.

Atendimento Ambulatorial

Já o Atendimento Ambulatorial é o serviço médico que deve prestar o primeiro acolhimento à maioria das ocorrências médicas, tendo caráter resolutivo para os casos de menor gravidade e encaminhando os casos mais graves para um serviço de urgência e emergência ou para internamento hospitalar, para cirurgia eletiva ou para atendimento pelo médico especialista indicado para cada paciente.
Fonte: Darcy Vargas

Comentários

Comentários